Este blog descreve momentos da vida da banda de rock "Os Tubarões", de Viseu, Portugal entre 1963 e 1968. This blog describes rock band moments of life "Os Tubaroes", Viseu, Portugal between 1963 and 1968.
28 de Novembro de 2017

EP 60-999 A 50 Algerian Paint.jpg

            Decorria o ano de 1967, talvez o mais intenso da nossa carreira musical. Começou com o baile de Finalistas em Viseu a 7 de Janeiro partilhando o palco com o Quinteto Académico e terminou no final do ano no grande Hotel da Figueira da Foz com passagem de modelos Woolmark e noite de fim do ano. Era a seguinte a formação do conjunto: Carlos Loureiro, teclados; Eduardo Pinto, bateria; José Merino, vocalista; Luis Dutra, v.baixo; e Victor Barros, viola ritmo. 

 

TUB 1967 1b.jpg

 

 A 22 de Julho, após as festas de S.Pedro do Sul estreámo-nos no Casino da Figueira com o conjunto João Paulo, e por lá ficámos a tocar até ao final de Setembro com 2 matinées por semana e soirées todos os dias com o descanso às 2ªs feiras. Em meados de Agosto começámos a sentir algum cansaço e ponderámos a necessidade de reforçarmos o conjunto com mais um elemento. Na Figueira da Foz conhecíamos o Vató que convivia connosco no dia a dia, tocava viola tendo contactos musicais com “Os Chinchilas”, tinha gostos musicais próximos dos nossos e também cantava. Começou um namoro que se concretizou em Setembro de 1967.

             Em Outubro vieram as aulas e nós iniciámos o trabalho musical no nosso estúdio em Viseu na Rua Alexandre Herculano. Além da viola Guild Starfire e do amplificador Vox 730 do Vató ainda adquirimos um amplificador Baldwin que era um primor nos agudos.TUB INST 1967 1 c.jpg

 

Ensaiávamos em todos os tempos livres só interrompidos pelas necessidades logísticas de alfaiates e fotos para novos cartazes. Sr. Aires da Foto Aires manifestou muito interesse em fazer fotos do conjunto que, entre outras, deram origem ao cartaz azul.

ESTUDIO 1 a.jpg

Ensaio no Estúdio de Os Tubarões: (e-d): Carlos Loureiro (fora da caixa), teclados; Luis Dutra, viola baixo; Valdemar Ramalho (Vató), viola solo; Victor Barros, viola ritmo, José Merino, vocalista e Eduardo Pinto, baterista.

 

        Continuavam os contactos com as Editoras relativos à gravação do disco. Os grandes activistas desta azáfama eram o Toninho Matos (António Matos) e o seu primo Fernando Pascoal de Matos que concretizaram um contrato exclusivo por 2 anos com a etiqueta Alvorada.

Tínhamos vários originais possíveis de gravação mas a Editora recomendou a inclusão de um tema com letra em português. Esta opção despertou a veia criadora do Vató que musicou o Poema do homem-rã (o 1º Poeta português consagrado a ser musicado por uma banda pop (*). Embora com temas originais suficientes o José Merino, muito inspirado nos últimos temas dos Beatles, criou ainda o Lucky day, e o Baby it hurts, este último bebendo alguma influência nos coros do Holiday, êxito dos Bee Gees.

Foram assim seleccionados os quatro originais, que pode ouvir aqui: 

A gravação foi marcada para o dia 29/11 a partir das 09H30 num Estúdio Alvorada na Calçada de Santana. 

TUBAROES Estudio B.jpg

(e-d) D.Urraca, no Bar do Estúdio e cartaz 1967(4) (Tip.Eden).

 

Seguimos a 28 pela tarde para Lisboa com a D.Urraca carregada com os instrumentos e no dia seguinte, manhã cedo, toca a carregar e montar os instrumentos para um 2º andar sem elevador para o estúdio. Muito curioso foi ter aparecido à porta do estúdio um tal Sr. Barata, da empresa Feira do Disco, empresa que já nos tinha contactado e que queria que anulássemos o compromisso com a Alvorada para assinarmos com eles, opção impossível de satisfazer naquela hora. 

Apesar de muito apressada a gravação não correu mal. Começámos pelo instrumental após o qual fizemos um pequeno intervalo para um café que deu muito geito pois possibilitou a finalização da letra do “Você vai chorar”. Gravámos a parte vocal, foram anotados os detalhes de pós-produção fundamentais no Poema do homem-rã que muito entusiasmaram a equipe do Moreno Pinto e que no essencial deveriam incluir sons de mar e de mergulhadores em três partes da música compostas propositadamente para tal fim. O disco ficou com 4 títulos originais completamente desconhecidos do público, o que naquele tempo não era vulgar pois as práticas dos conjuntos como o nosso era editarem “covers” de êxitos internacionais. O exposto releva a importância que para nós tinha este trabalho cuidado de pós-produção.

O resto da tarde estava reservada para uma sessão fotográfica mas o mau tempo obrigou ao seu adiamento para a manhã seguinte. Este adiamento permitiu dar apoio aos desalojados das cheias em Alverca com a Associação dos Estudantes de Económicas, da qual o Fernando Pascoal de Matos, nosso representante em Lisboa, era membro.

Na manhã de 30/11 fomos até à beira rio em Belém tirar as fotos para a capa do disco. A foto seleccionada foi uma das tiradas junto ao Monumento dos Descobrimentos, coladinhos à sua base, com o Victor com os joelhos encolhidos para todos aparentarmos a mesma estatura. Com a excepção do Vató (1º esquerda) e do Luis Dutra (penúltimo), vestíamos as nossas casacas inspiradas no modelo do Sargeant Peppers.

K Disco A.jpg

 (e-d) Vató, Eduardo Pinto, José Merino, Victor Barros, Luis Dutra e Carlos Loureiro.

 

         Regressámos a Viseu sexta-feira 1 de Dezembro confiantes no entusiasmo da equipa técnica que bem anotou o que pretendíamos na pós-produção e no resultado que a inclusão dos sons do mar no “Poema do homem-rã” iria provocar.

Pretendia-se que o disco viesse a ser editado no Natal mas tal só veio a acontecer no Carnaval de 1968. Quando o ouvimos a 1ª vez o disco numa casa de discos de Viseu constatámos, com grande tristeza, o incumprimento contratual da Editora no pós-produção do disco. Disco B.jpg

 

Andámos sempre bem acompanhados. O nosso Bem Haja aos amigos:

Alberto Martins Carrilho, António Matos, António Xavier de Sá Loureiro, Camané Serpa, Fernando Pascoal de Matos, José Sacadura, Maurício de Sousa e Rogério Dourado.

porep

fonte: (*) Blog IÉ-IÉ

publicado por os tubaroes, Viseu às 23:42
02 de Maio de 2014

No Salão do piano do Clube de Viseu foi montada uma exposição com a Memória do Conjunto “Os Tubarões”, composta por 5 paineis e uma mostra de trajes e instrumentos originais do conjunto nos 60’s.

Os 4 primeiros paineis retratavam a vida do conjunto nos anos 1964 a 1968 com a composição do Conjunto, fotografias, programas, cartazes e outros documentos originais de cada ano:

 

1964 e 1965

Os Tubarões 1964 e 1965:

Fotos da estreia do conjunto no Salão Nobre do Clube de Viseu a 26/4/1964. A rodagem nas Termas de S.Pedro Sul. A inauguração do Restaurante/Bar O Tubarão na Figueira da Foz; O Casino da Figueira, as carteiras profissionais. A entrada do Quim Guimarães e a participação no Concurso IÉ-IÉ:

 

1966

Nomeados Embaixadores de Viseu, a final do IÉ-IÉ, os espectáculos em Viseu, Brasil em Viseu, a Figueira da Foz, as fotos do Germano, o Verão no Casino, a foto com Amália, programas do Casino, a gravação do disco Old Lady no Clube de Viseu, a D.Urraca, o Estúdio na Alexandre Hercularo:

  

 

1967

Bailes de Finalisttas; Festa do III aniversário com Tonicha e os Corsários, actuação na Boite "O Caruncho" em Lisboa, o Verão no Casino, a gravação do disco, programas, minuta de contrato. Fotos com Simone de Oliveira e Nicolau Breyner no Casino Figueira. Recortes de imprensa.

 

 

1968

Bailes de Finalistas, o Carnaval na Neve, a saída do disco, de novo o Verão no Casino com Juan Manuel Serrat, Duo Dinãmico, o nosso Estúdio, Playlist, entrevistas, etc ...

 

 

IÉ-IÉ:

Eliminatoria de 10 de outubro de 1965; Meia Final a 15 de Janeiro de 1966 e Final a 30 de Abril 1966.

 

 

 Trajes e Instrumentos:

Casacas à Beatles de 1967, Viola Hofner de 1964 e viola Vox de 1965. microfone AKG, coluna Dynacord e maquete da capa do disco Poema do Homem Rã".

 

 

Com o nosso Bem Haja a José Tomás pelo apoio e fotos.

 

porep

publicado por os tubaroes, Viseu às 10:08
28 de Agosto de 2013

Nicolau Breyner com Os Tubarões no Salão Nobre do Casino da Figueira, a 31/8/1967.

(e-d) Carlos Alberto Loureiro, Victor Barros, Nicolau Breyner, José Merino, Eduardo Pinto e Luis Dutra. Foto José Santos, Coimbra.

 

" Conhecemos o Nicolau Breyner no Casino da Figueira em Agosto de 1967.

Estreou a 29/8 como cantor, assistiu à nossa matinée desse dia, imediatamente antes do seu ensaio no Salão de Café a que também assistimos. E sentimos alguma proximidade entre nós pela mútua juventude e gosto musical.

O Nicolau com os seus 26 anos era uma vedeta do Teatro, Revista e Cinema e tinha iniciado a carreira de cantor a solo.

 

  Começámos a conviver nesse dia com muita empatia mútua. Ao serão e após a estreia ceámos juntos no Casino e houve logo noitada. O Nicolau, qual vedeta, estava instalado no Grande Hotel. Quando saíamos do Casino já estava tudo fechado na zona central e acabámos por ir até à Sacor, o único lugar ainda aberto às 3 da manhã. Depois de alguns copos e muita laracha divertida regressámos a pé da Sacor que ficava perto da Estação dos Caminhos de Ferro. Quando passávamos nas Docas estavam a entrar algumas traineiras cheias de sardinha, com um brilho único tão reluzente que o Nicolau não resistiu e encomendou duas caixas pedindo que as entregassem de manhã no Grande Hotel. Combinou-se logo uma grande sardinhada para o dia seguinte com o nosso compromisso de tratarmos da logística necessária. O pescador, atónito, lá aceitou o dinheiro e comprometeu-se a entregar as caixas ao outro dia de manhã no Grande Hotel, como veio a acontecer. Ainda antes das 10H00, madrugada para o Nico, toca o telefone da recepção. O Nicolau ainda a dormir perguntava: “Duas caixas de sardinha para mim? Para mim ??? Oh Homem sei lá, leve-as para a cozinha que depois logo se vê; Olhe, ofereça-as aos seus Clientes ao almoço.” E nunca mais se lembrou da sardinhada.

Como combinado encontrámo-nos à tarde no Casino. Entretanto mobilizámos algumas amigas e amigos, uns com carro, e o Zé Gordo preparado com o seu Peugeot, para irmos à sardinhada do Nicolau cujo local mais sossegado e apropriado seria o Cabo Mondego. Quando o Nicolau chegou ao Casino é que se lembrou da sardinhada combinada e do que tinha dito no Hotel. Lá se desfez em desculpas e nos descompôs em riso com as sua inúmeras histórias e graças que lhe saiam em catadupa, não dando tempo para mais alguém falar. Meia hora depois, já com o grupo mais reduzido, o Nicolau manifestou algum interesse em dar uma volta pela Figueira. Logo o Zé Gordo ofereceu os seus préstimos e uma das figueirenses presentes prontificou-se a ser a cicerone na Figueira da Foz e arredores. Foi uma volta longa que terminou tarde na Serra da Boa Viagem. À noite, o Zé Gordo, muito entusiasmado, acercou-se de nós dizendo que o Nicolau tinha uma proposta irrecusável aconselhando-nos a não dizermos que não. Ficámos expectantes pelas novidades que iriam aparecer. Após o Show o Nicolau propôs-nos produzirmos um espectáculo em que ele seria a atracção, nós faríamos sózinhos a 1ª parte e na 2ª acompanharíamos o Show do Nicolau. E não haveria problema pois em Setembro já poderíamos ir para Lisboa e começar os ensaios para em Outubro começarmos a tournée. Foi um projecto que nos agradou sem dúvida, mas … e os estudos, …

Ficou a ideia que a todos entusiasmou, e até o Zé Gordo estava disponível para fazer a cobertura fotográfica do evento de abrangência nacional. E tratámos logo de ensaiarmos uns toques que o Zé Gordo registou para a posteridade.

(e-d) José Merino, Carlos Alberto Loureiro, Eduardo Pinto, Nicolau Breyner, Luis Dutra e Victor Barros. Foto José Santos, Coimbra.

  

Nunca conseguimos concretizar este projecto. O Nicolau somava êxitos sobre êxitos na arte de representar, e nós voltámos ao ano escolar, ainda um pouco meninos dos teen , em vésperas da guerra, marchar, marchar …

No ano seguinte viemos a reencontrar o Nicolau no Casino e, em simultâneo com o Toni de Matos, vivemos cenas absolutamente hilariantes.

 

Mais tarde, já a cumprir o serviço militar em Lisboa, voltámos a conviver com o Nicolau no Monumental em 1969/70, e ainda mais tarde, a partir de 1997 na RTP. Até hoje."

 

in porViseu'60s

          Programa do Casino da Figueira de 29/8 a 1/9 de 1967

 

                                           

                                   Licença da Inspecção Geral dos Espectáculos

publicado por os tubaroes, Viseu às 23:26
26 de Agosto de 2013

A 26 de Agosto de 1966 AMÁLIA foi a grande atracção da noite no Casino da Figueira da Foz com lotação esgotada.

 

 No Palco do Salão de Café,(e-d) José Merino, Carlos Alberto Loureiro, Eduardo Pinto, Victor Barros e Luis Dutra.
(foto José Santos, Coimbra)

  
 
Programa do Casino de 26 de Agosto 1966  
 
  
 
Licença da Inspecção Geral dos Espectáculos 
 
No camarim onde se preparava para actuar, localizado mesmo por baixo do palco do Salão de Café, onde nós tocávamos, AMÁLIA ouviu-nos, quis conhecer-nos e sugeriu as fotos que o ZÈ GORDO, Fotógrafo do CASINO, registou.
 
(e-d) José Merino, Carlos Alberto Loureiro, Eduardo Pinto, Victor Barros e Luis Dutra.
(foto José Santos, Coimbra.)
 
 "Na época alta de Verão, aos fins de semana, o programa do Casino variava um pouco com a apresentação de uma atracção especial que actuava no Salão Nobre a partir das 00H30. Para 26 de Agosto foi anunciada a presença de Amália Rodrigues.
Num ano em que Amália Rodrigues recebeu o Prémio Pozal Domingos o Casino teve uma das maiores enchentes, mesmo com as entradas a 60$00. Após as variedades no Salão de Café o Casino teve de abrir, excepcionalmente, os dois Salões de Baile, Salão Nobre e Salão de Café, para o público dançar pois as pessoas não cabiam num só. O conjunto de Shegundo Galarza tocava no Salão Nobre e nós no Salão de Café. E mesmo assim ambos estavam cheios. Até nas galerias do Salão do Café se dançava.

Foi uma grande prova de fogo para nós pois tivemos de tocar toda a noite num dos Salões em concorrência com o Shegundo Galarza que tocava no Salão Nobre.

Tocámos a primeira parte entre o final das Variedades do Salão do Café e o início do concerto da Amália (23H15 às 00H30) e depois do concerto de Amália, já que a noite se prolongou até madrugada.

 

 

 Os Tubarões no palco do Salão de Café do Casino da Figueira a 26/8/1966

(e-d) Carlos Alberto Loureiro, José Merino, Eduardo Pinto, Victor Barros e Luis Dutra.

 

 A partir desta noite e até ao final da época, por sugestão da Administração do Casino, com o acordo de todos, passámos a tocar todas as noites alternando de hora a hora com o conjunto de Shegundo Galarza, facto que nos honrou. Atingimos a maioridade musical.

 

Os camarins do Casino situavam-se mesmo por baixo do palco do Salão de Café, onde Amália se preparava para a sua actuação às 00H30. Ouviu-nos tocar e manifestou agrado a quem a acompanhava de querer saber quem éramos. Quando subiu para entrar em cena, momentos antes da sua actuação, nós tínhamos acabado o nosso primeiro take e ainda nos encontrávamos no Palco do Salão do Café. Então Amália convidou-nos a tirar uma foto. Foi interessante, pois a Amália, nervosíssima, fumava cigarro atrás de cigarro, e nós estávamos incrédulos com tão honroso convite. E lá estávamos nós à frente da objectiva do Zé Gordo, fotógrafo oficial do Casino, simpático fanático da Briosa que logo descobriui o ramo de flores, e a Amália, virando-se para nós, "… vamos lá rapazes, isto é muito simples, eu abro os braços, e... já está". E ficaram as fotos para a nossa história.

 

 Muito simpática e conversadora quis saber mais sobre nós, conversou, tiramos outras fotos, e quando chegou a hora foi para o Salão Nobre para mais uma noite de retumbante sucesso. Surpreendeu-nos a simplicidade e franqueza, o tabaco e o nervoso de tão grande estrela. Marcou-nos, claro!

Nos anos seguintes de novo Amália voltou a esgotar o Casino com as suas empolgantes actuações, como em 1968.

   

 

Actuação de AMÁLIA no Salão Nobre do Casino da Figueira a 9 de Agosto de 1968. Lotação completamente esgotada, pista de dança invadida por espectadores sentados no chão e nem o Palco escapou à presença de espectadores que se juntaram aos músicos. Visível no Palcoo José Merino, Eduardo Pinto e Pascoale e outros elementos do Conjunto Pasquale con Franco Etti.
Noite de mais um triunfo de AMÁLIA.
  
in porViseu'60s
porep
 
 
publicado por os tubaroes, Viseu às 00:33
08 de Abril de 2012

 

Com a devida vénia ao Diário de Coimbra.

 

 
Na mesa: Domingos Silva, Fernando Ruas, Eduardo Pinto, Vitor Pais e João Ataíde.
 
Vató (Valdemar Ramalho), Vitor Pais e esposa.
 
 
Carlos Alberto Loureiro, Vitó (Victor Barros) e Amadeu Jorge.
 
 
Luis Dutra, Maria José Ordonhas e Nuno Teixeira.
 
 
 

 

 

publicado por os tubaroes, Viseu às 20:13
05 de Abril de 2012


 
Com a devida vénia ao Semanário O Figueirense de 20120405, foto do dia 31/3 no Casino da Figueira.
Legenda (esq.dir.): Carlos Alberto Loureiro, teclados, Vató(Valdemar Ramalho), viola solo, Eduardo Pinto, bateria, Vitó(Victor Barros), viola ritmo e Luis Dutra, viola baixo.  

 
publicado por os tubaroes, Viseu às 23:16
31 de Março de 2012



publicado por os tubaroes, Viseu às 09:07
30 de Março de 2012

 

publicado por os tubaroes, Viseu às 15:26
25 de Março de 2012

...in "Jornal do Centro", Nº523, 23 de Março 2012.

 

publicado por os tubaroes, Viseu às 07:31
18 de Março de 2012

Legenda (esqd/dir): Carlos Alberto Loureiro (teclas), José Merino (vocalista), Victor Barros (viola ritmo), Valdemar Ramalho (viola solo), Luis Dutra (viola baixo) e Eduardo Pinto (bateria), na Galeria do Salão de Café do Casino, em Agosto de 1968.

 

Os Tubarões irão regressar ao Casino da Figueira da Foz no próximo dia 31 de Março, Sábado, a partir das 18H00 na sessão de apresentação do livro porViseu'60s que relata a vida do conjunto entre 1963 e 1968 descrevendo a sua carreira musical devidamente enquadrada na época e no modus vivendi dos anos 60’s.

 

No livro é dado especial destaque à importância do Casino na carreira musical do conjunto, que entre os anos 1965 a 1968 ali animou os meses de Verão e onde os seus elementos se cruzaram com inúmeras vedetas e músicos profissionais de grande craveira que os apoiaram e ajudaram a crescer musicalmente quer individualmente quer colectivamente.

 

Também são referidos episódios inéditos da vida do conjunto como a explicação das razões da sua mudança do Restaurante O Tubarão, que inauguraram em Agosto de 1965, para o Casino, algumas aventuras e desventuras, e são referidos alguns dos inúmeros amigos que então fizeram.

 

“.os.amigos.

Na Figueira da Foz fizemos muitas e grandes amizades as quais perduram até aos dias de hoje.

 

Recordamos o grupo da Figueira com muitos amigos como o Victor Pais, os irmãos Beja com a sua Vela Solex, o Jorge Raio e o seu Fiat 600, o Cró, o Jobé, o Zé Lemos, o Gina, o Beli e ainda as Primas Seco, a Manuela Bolacha, e a Fernanda.

O grupo de Coimbra liderado pelo Né Brinca com o seu Hilman Imp, o Cortesão;

O grupo muito animado de Maiorca com as manas Pontes de Sousa, o grupo de Lisboa com as manas Pétinhas, o grupo Espanhol liderado pela Api e pelo Manolo e os Holandeses liderados pelas manas Yoko.

Muitas e boas saudades.

 

E não podemos esquecer os lugares por onde passávamos como o Café Nicola com o seu famoso bife à café, os pregos da Sacor junto à Estação de caminho de ferro, as Paellas na Praia com o grupo espanhol, a Serra das Óptimas Viagens, o Clube de Ténis, as festas na casa do Vitor Pais, etc …. sem nunca faltar o amendoim, sempre do melhor e bem torradinho, e as melhores pevides do mundo que o Sr. Loureiro nunca se esquecia de nos abastecer.”

 

…in porViseu’60s, pag.88

 

publicado por os tubaroes, Viseu às 15:49
Os Tubarões em livro: porViseu'60s.
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
29
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últimos comentários
Que memórias boas!
Isabel Corujão favor envie e-mail de contacto pois...
Ficava muito grata se me dispensasse esses materia...
Temos fotos originais e texto da peça. Tentaremos ...
Vi com muito interesse este post e fiquei com curi...
Cornélio,Obrigado e um abraço,Eduardo pinto
Eduardo, parabéns pelo trabalho de pesquisa! Muito...
ja tenho o livro que comprei na FOTO GERMANO..está...
Eduardo vou com certeza partilhar a tua obra, pare...
O livro será posto à venda a 26 de Setembro de 201...
blogs SAPO